ÚLTIMAS

SÃO MIGUEL | Biblioteca Pública de Ponta Delgada enriquece espólio de José Bruno Tavares Carreiro com doação

462views

Trata-se de um importante conjunto de cartas, missivas e postais trocados entre José Bruno Tavares Carreiro e António Salgado Júnior, no período compreendido entre 1942 a 1948. O espólio foi doado à Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada pelo empresário Ricardo Martins Mota.

Os documentos conservam os respectivos envelopes, muitos deles visados pela censura e constituem uma fonte de informação adicional sobre os estudos da obra anteriana realizados por José Bruno Tavares Carreiro.

“Oxalá que as impressões que os nossos hospedes d`aqui levem correspondam à boa vontade com que acederam em honrar-nos com a sua visita. Dentro da nossa pequenez e dos nossos limitadíssimos recursos”, escrevia José Bruno Tavares Carreiro, num dos escritos, agora na posse da Biblioteca Pública de Ponta Delgada.

A este conjunto de correspondência, acresce uma carta de Tavares Carreiro a Reynaldo dos Santos, conceituado médico cirurgião, no âmbito da  famosa visita do grupo dos continentais aos Açores em 1924. 

A questão do processo de datação cronológica das poesias e cartas de Antero de Quental, os poemas de Côlo de Moura, o eventual exílio de Antero de Quental e a relação de “culto” de Antero com Alexandre Herculano são alguns dos temas abordados nestas cartas.

Este conjunto de documentos, contextualiza, ainda, o estado de espírito e as vicissitudes passadas por José Bruno Tavares Carreiro aquando do processo de publicação da sua obra “Antero de Quental, Subsídios para a sua biografia” e da segunda edição de “Raios de Extinta Luz” de Antero de Quental.

Este espólio contém ainda os rascunhos de resposta de António Salgado Júnior a Tavares Carreiro, com as suas observações anterianas e a correspondência de Couto Martins, personalidade que detinha os direitos das publicações literárias de Antero, à data. 

Para Ricardo Martins Mota este ato de doação constitui a forma de reconhecer o excelente trabalho técnico de pesquisa e divulgação desenvolvido pela Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada, sobre a vida e obra desta ímpar e extraordinária personalidade, José Bruno Tavares Carreiro. O empresário lagoense espera que este conjunto documental possa contribuir para acrescentar conhecimento, ao mesmo tempo que se garante a sua preservação e a divulgação.

Segundo a diretora da Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada, Iva Matos, “trata-se de um conjunto de cartas que vem complementar não só na sua relação com o arquivo de José Bruno Tavares Carreiro, mas também pelo valor intrínseco dos próprios documentos de um arquivo de um dos grandes especialistas de Antero de Quental que tinha com José Bruno Tavares Carreiro este interesse comum. Então, para qualquer estudioso de Antero, e desta época do início do século XX, tem muito interesse consultar este arquivo que está no domínio público”.

Iva Matos salienta, ainda, que a doação “valoriza e muito” todo um trabalho que muitas vezes é invisível ao público em geral. 

Os registos doados à Biblioteca Pública de Ponta Delgada foram adquiridos por Ricardo Martins Mota em 2010 a um alfarrabista do norte do país, juntamente com outros pertencentes do espólio documental de António Salgado Júnior sobre os seus estudos sobre a obra de Antero de Quental.

José Bruno Tavares Carreiro é micaelense, filho do médico Bruno Carreiro. Licenciou-se em Direito, em Coimbra, tendo sido jornalista, escritor e autonomista. Fundou em 1920 o jornal Correio dos Açores que dirigiu até 1937. Os livros que tinha em sua posse, mais de 500 de interesse anteriano, estão agora disponíveis, para consulta pública na Biblioteca de Ponta Delgada. 

António Salgado Júnior foi escritor, historiador e professor. Escreveu a obra “História das Conferências do Casino”, uma dissertação de doutoramento apresentada na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. As famosas Conferências do Casino foram criadas por Antero de Quental, em 1871, para estudar a transformação política, económica e religiosa da sociedade portuguesa de então.»

M/N/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o Diretor de Programação da Rádio Ilhéu, sediada na Ilha de São Jorge. É também autor da rubrica 'Cronicas da Ilha e de Um Ilhéu' que é emitida em rádios locais, regionais e da diáspora desde 2015.