ÚLTIMAS

ATUALIDADE | Cultura: Faial acolhe residência artística que vai explorar uso de rochas vulcânicas dos Açores em litografia

627views

A Associação de Turismo Sustentável dos Faial convidou o artista plástico António Regis da Silva para realizar uma residência criativa no Faial. O objectivo é promover e valorizar a ilha como local privilegiado para a criação artística e cultural, reforçando a ligação entre Natureza e Cultura. 

De 23 de fevereiro a 30 de março, o artista plástico Regis da Silva vai estar em residência no Faial para realizar um trabalho de exploração do uso das rochas vulcânicas locais em litografia (impressão sobre a pedra), e que vai resultar numa exposição que será apresentada na ilha, no Porto e em Inglaterra.

As rochas serão utilizadas não apenas como suporte para a realização das impressões, mas também para a criação dos pigmentos utilizados no processo de impressão de imagens, estando, ainda, previstos um workshop aberto ao público. 

Na prática, são dois os projectos multidisciplinares que se vão cruzar na ilha do Faial; o projecto ‘Diálogos Plutónicos’, desenvolvido pelo artista plástico brasileiro Antonio Regis da Silva, com o apoio da Associação de Turismo Sustentável dos Faial (ATSF), e o projecto ‘Memórias do Pó: a pedra e o território como matéria’, um ciclo de actividades de investigação que se iniciam na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e no Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade e que se estendem agora ao território físico e cultural da ilha do Faial.

O presidente da ATSF, Pedro Rosa, afirma que estas iniciativas, que se vão concretizar “através da sinergia entre diversas instituições do Faial, do Porto e de Yorkshire, no Reino Unido, propõem um conjunto alargado de actividades que exploram os atributos e as especificidades de um território e dos seus recursos naturais endógenos no acto da criação artística”.

“Através do manuseamento e transformação de matérias-primas, como o basalto, aqui utilizado em processos inovadores de litografia e pigmentação, abordam-se temáticas que cruzam a cultura local com o desenvolvimento de novos processos tecnológicos e criativos que expandem a noção de território”, sublinha. 

Segundo Pedro Rosa, a ilha do Faial e as suas especificidades geológicas, históricas e culturais tornam-se “a matéria principal destes processos de investigação e criação”.

Produzido pela Associação de Turismo Sustentável do Faial, este projecto realiza-se no “âmbito da estratégia de valorização e promoção da ilha do Faial enquanto local privilegiado para a criação artística e cultural”, salienta.

Recorde-se que Regis da Silva, artista brasileiro a residir no Porto, participou, o ano passado, no seminário Faial: Descobrir a História, Pensar o Futuro”, da ATSF, e visitou na altura vários pontos da ilha, entre os quais as pedreiras, tendo identificado algumas rochas a partir das quais pode, também, produzir pigmentações, como é o caso da bagacina (lapilli).

O projecto ‘Diálogos Plutónicos’ propõe a realização de um conjunto de acções artísticas que exploram processos litográficos in situ utilizando rochas vulcânicas. O artista escolheu a ilha do Faial por ser “um lugar com forte presença da Natureza e por ter tido uma erupção vulcânica recente”. 

A residência artística vai decorrer no espaço AvistaVulcão, no Capelo, e na Micro Galeria Camarupa, na cidade da Horta, e vai culminar numa exposição na Casa Manuel de Arriaga , cuja inauguração vai acontecer a 31 de março, estando, também, agendado um workshop sobre litografia aberto ao público, entre 9 e 20 de março. 

Relativamente ao projecto ‘Memórias do Pó: a pedra e o território como matéria’, trata-se de um ciclo de actividades que decorre no Faial, de 30 de março a 6 de abril, expandindo processos de investigação desenvolvidos na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e no Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade.

O projecto tem por base o desenvolvimento de dispositivos litográficos móveis que possibilitaram a pesquisa in situ, ou seja, as pedras locais são testadas e utilizadas na litografia, procurando, além da expansão tecnológica, o desenvolvimento de dimensões culturais e imateriais com o território.

No Faial, esta actividade vai desenvolver-se na zona do vulcão dos Capelinhos e na cidade da Horta, onde os artistas e investigadores Antonio Regis da Silva, Graciela Machado e Domingos Loureiro vão realizar uma residência de investigação, um seminário, um workshop e uma exposição, estando também prevista uma publicação sobre este trabalho.

O seminário pretende apresentar a pesquisa que tem sido desenvolvida pelos grupos de investigação, nomeadamente as pesquisas realizadas nos territórios de Valongo, Arouca, Castelo de Paiva e agora no Faial. Pretende, ainda, cruzar as dimensões simbólicas e físicas do território, procurando um debate inter e transdisciplinar sobre o modo como a matéria e o território actuam sobre a memória e as pessoas.

ATSF/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o Diretor de Programação da Rádio Ilhéu, sediada na Ilha de São Jorge. É também autor da rubrica 'Cronicas da Ilha e de Um Ilhéu' que é emitida em rádios locais, regionais e da diáspora desde 2015.