XTB

VATICANO | Papa Francisco desafia a «traduzir valores antigos em línguas modernas»

Foto: Vatican Media
559views

Ecclesia – O Papa Francisco convidou ontem os peregrinos da Diocese de Crema a não ter medo de “traduzir valores antigos em línguas modernas, para que possam chegar a todos”, e pediu que rezassem pelo “dom da paz” em Mianmar.

“Tente sempre ser acolhedor e inclusivo com aqueles que batem à sua porta; tome especial cuidado com a educação dos jovens, ajudando-os a «trazer o melhor de si mesmos» e a encontrar o plano de Deus nas suas vidas, tornando-o uma missão, com paixão. Não esqueçam os idosos, os mais fracos, especialmente os pobres e os doentes; convido-vos a ouvi-los, porque há muito a aprender com aqueles que sabem o que é a vida, a labuta e o sofrimento. Finalmente, numa terra tão rica e bela como a vossa, que sejam modelos de gestão respeitosa da criação, de sobriedade na utilização dos seus frutos, e de generosidade na partilha dos mesmos”, afirmou Francisco aos peregrinos que recebeu no Vaticano.

Na audiência estavam também o bispo Rosolino Bianchetti, de Quiché, na Guatemala, o Superior Geral do Pontifício Instituto para Missões Estrangeiras, também os seminaristas da Diocese de Taungngu, em Mianmar, os sacerdotes e missionários presentes e o presidente da Província de Cremona, que recordaram a vida do padre Alfredo Cremonesi, de Cremona, missionário e mártir na Birmânia, agora Mianmar.

“Como sabeis, é uma terra atormentada, esta, que trago no coração e pela qual vos convido a rezar, implorando de Deus o dom da paz”, pediu.

O Papa quis recordar o testemunho do padre Alfredo Cremonesi evidenciando ao trabalho que realizou, procurando estar próximo “do seu povo e para construir e reconstruir o que a guerra e a violência continuaram a destruir”.

“O que é impressionante no Padre Alfredo é a tenacidade com que exerceu o seu ministério, entregando-se sem cálculos e sem se poupar para o bem do povo que lhe foi confiado, crentes e não crentes, católicos e não católicos. Um homem universal, para todos”, indicou.

Francisco evidenciou ainda a universalidade da sua obra: a caridade em especial com “os mais necessitados, encontrando-se muitas vezes sem nada, forçado a mendigar a si próprio”; a educação dos jovens e o facto de não se ter deixado “intimidar ou desencorajar por mal-entendidos e oposição violenta”, até ao momento em que “tiros de metralhadora que o cortaram”.

“Mas mesmo esta violência extrema não impediu o seu espírito nem silenciou a sua voz. De facto, continuou a falar através daqueles que seguiram os seus passos: entre estes missionários encontra-se hoje o Padre Andrea Mandonico e, embora ele não pudesse estar aqui connosco, não esqueçamos o Padre Pierluigi Maccalli, durante dois anos prisioneiro no Níger e no Mali, por cuja libertação rezou tanto! A voz missionária do padre Alfredo, porém, não lhes é confiada apenas a eles: é confiada a todos nós, a todos vós, às vossas palavras e sobretudo à vossa experiência como comunidade cristã”, evidenciou.

Francisco convidou, por isso, os presentes a herdarem as “características” de um missionário.

“A humilde consciência de ser um pequeno instrumento nas grandes mãos de Deus; a alegria de realizar uma «obra maravilhosa», juntando irmãos e irmãs com Jesus; o assombro perante o que o próprio Senhor opera naqueles que O encontram e acolhem”, assinalou, num discurso publicado pela Sala de Imprensa do Vaticano.

“Humildade, alegria e assombro”, afirmou o Papa Francisco, sublinhando serem “três belos traços” do apostolado de um cristão, “em todas as condições e estados de vida”.

LS/AE/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o Diretor de Programação da Rádio Ilhéu, sediada na Ilha de São Jorge. É também autor da rubrica 'Cronicas da Ilha e de Um Ilhéu' que é emitida em rádios locais, regionais e da diáspora desde 2015.