XTB

INTERNACIONAL | UNICEF e OMS lançam campanha de vacinação contra a cólera no noroeste da Síria no âmbito da resposta humanitária ao sismo

On 1 March 2023 in A'zaz, north-west Syria, UNICEF Family Hygiene Kits are distributed to families at a camp for families displaced by the earthquakes.
317views

A UNICEF e a Organização Mundial de Saúde (OMS), deram início a uma campanha de vacinação contra a cólera nas zonas atingidas pelo terramoto no noroeste da Síria, em coordenação com as autoridades sanitárias, o Grupo de Imunização da Síria, e a Aliança Global para Vacinas e Imunização (GAVI).

Durante a campanha, 1,7 milhões de doses de vacina contra a cólera serão administradas para proteger os cidadãos sírios com mais um ano de idade, especialmente os que vivem nas áreas mais severamente afectadas pelo terramoto e com maior risco de cólera, incluindo os distritos de Sarmada, Maaret Tamsrin, Dana, e Atmeh em Idleb, e no distrito de A’zaz no norte de Alepo.

1400 equipas compostas por colaboradores de saúde e voluntários comunitários implementarão a campanha de dez dias mediante a uma estratégia de deslocação casa-a-casa, e alcançando as pessoas deslocadas que vivem actualmente centros de acolhimento diversos. 

“A OMS alerta contra o aumento de doenças transmitidas pela água para mais de 2,1 milhões de sírios que vivem no noroeste do país, com o risco a aumentar significativamente na sequência do devastador terramoto, especialmente em campos sobrelotados e centros colectivos de acolhimento,” afirmou Richard Brennan, Diretor de Emergências do Escritório Regional da OMS para o Mediterrâneo Oriental. “A OMS e os seus parceiros têm de agir agora para evitar mais doenças e morte. Como as vacinas contra a cólera são administradas oralmente, é crucial assegurar que as populações alvo sejam alcançadas antes do início do mês santo do Ramadão, uma vez que a maioria dos adultos estará em jejum durante esse período.”

“Após anos de conflito e dois sismos catastróficos, os perigos que as condições insalubres e a água pouco segura representam para as crianças podem parecer inconsequentes, mas sabemos que se as doenças transmitidas pela água se instalarem, os efeitos podem ser desastrosos”, disse Maddalena Bertolotti, Diretora Regional Adjunta da UNICEF para o Médio Oriente e Norte de África. “Esta campanha de vacinação é vital, uma vez que proporcionará a tão necessária protecção às crianças e suas famílias e ajudará a travar a propagação da doença, que pode colocar milhões de pessoas em risco.”

Desde que o surto de cólera foi declarado pela primeira vez na Síria a 10 de Setembro de 2022, foram comunicados mais de 50 mil casos suspeitos nas províncias de Idlib e Alepo. Destes casos suspeitos, 18% dos eram provenientes de campos de deslocados internos.  Na semana subsequente ao terramoto, os casos comunicados diminuíram em 63%, reflectindo a queda nas identificações e na comunicação. Desde então, a vigilância foi retomada e, duas semanas após o sismo, foram comunicados 1.784 novos casos. Há ainda uma necessidade urgente de aumentar a vigilância e a resposta às doenças propensas a epidemias após o terramoto, com especial destaque para a época da Primavera, altura em que se assistirá a uma mudança nos agentes patogénicos circulantes.

A UNICEF lidera a aquisição de vacinas, a cadeia de frio e a gestão de vacinas para a segurança das mesmas; e co-lidera no planeamento e implementação das actividades de mobilização social para a campanha da Vacina Oral contra a Cólera a fim de sensibilizar para a importância de tomar a vacina.

A OMS lidera a resposta operacional à cólera, estabelecendo uma força de trabalho de resposta à cólera, e coordenando a resposta através dos vários pilares, incluindo vigilância e laboratórios, gestão de casos, prevenção e controlo de infecções, cadeia de abastecimento, e comunicação de risco e envolvimento comunitário.

Os devastadores terramotos que atingiram o norte da Turquia e o noroeste da Síria a 6 de Fevereiro causaram mais de 4540 mortos e quase 9000 feridos no noroeste da Síria. Cerca de 90000 sírios ficaram deslocados no noroeste do país e muitos encontraram refúgio em campos e centros de acolhimento sobrelotados. Esta catástrofe perturbou o acesso a água potável, saneamento e higiene, expondo a população a um risco acrescido de doenças transmitidas pela água, incluindo a cólera.

UNICEF/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o Diretor de Programação da Rádio Ilhéu, sediada na Ilha de São Jorge. É também autor da rubrica 'Cronicas da Ilha e de Um Ilhéu' que é emitida em rádios locais, regionais e da diáspora desde 2015.