ÚLTIMAS

HORTA | Carlos Ferreira elogia percurso da mais antiga filarmónica do Faial

310views

O Presidente da Câmara Municipal da Horta elogiou, na comemoração do 165º aniversário da Sociedade Filarmónica Artista Faialense, todos os que fizeram a instituição crescer em dimensão e em qualidade, para agora se afirmar como uma referência no mundo filarmónico, a nível local e regional.

“A Sociedade Filarmónica Artista Faialense é, e sempre foi, uma instituição de pessoas para pessoas, que ajuda a construir uma sociedade melhor, através da cultura e dos valores individuais e coletivos. É assim devida, e oportuna, uma palavra de reconhecimento a todos os executantes, alunos, maestros, membros dos órgãos sociais da Filarmónica, e às famílias que apoiam e incentivam os jovens, e menos jovens, que ao longo de muitas gerações foram criando e cimentando na freguesia da Conceição e na ilha do Faial, uma instituição cultural de referência”.

“É também por isto”, acrescentou Carlos Ferreira, que “o Município estima a parceria que mantém com a Artista Faialense, e que nos é muito próxima, e a apoia no desenvolvimento da sua ação cultural e cívica”, afirmou, desejando que “o presente e o futuro tragam para a Sociedade Filarmónica muitos sucessos”.

Na sessão solene de aniversário da filarmónica mais antiga do Faial, e a segunda mais antiga dos Açores, fundada a 22 de fevereiro de 1858, o autarca aproveitou a oportunidade para salientar que “o Município pretende desenvolver, no âmbito das Grandes Opções do Plano e Orçamento para 2023, um programa de valorização e de formação para as filarmónicas, folclore e música tradicional da ilha do Faial, reforçando o reconhecimento do seu papel cultural, social e artístico, ao que acresce a responsabilidade partilhada de apoiar e promover a cultural musical”.

CMH/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o Diretor de Programação da Rádio Ilhéu, sediada na Ilha de São Jorge. É também autor da rubrica 'Cronicas da Ilha e de Um Ilhéu' que é emitida em rádios locais, regionais e da diáspora desde 2015.