Memórias de Madre Aliviada da Cruz de Henrique Levy

Memórias de Madre Aliviada da Cruz de Henrique Levy

Será lançado no dia 25 de Abril, às 18:00 horas, o novo livro de Henrique Levy, Memórias de Madre Aliviada da Cruz, em directo no Facebook e no Youtube da Letras Lavadas.

A apresentação contará com a presença do professor Aníbal C. Pires e com a moderação de Patrícia Carreiro.
Este livro, para maiores de 18 anos, conta-nos as aventuras de Benedita Portugal de Castro, que em 1846 desembarcou em Ponta Delgada, na companhia de cinco marujos, rumo a Vila Franca do Campo, para ingressar no Convento de Santo André. Amante do corpo, e do espírito, ardente em amor, Madre Benedita da Cruz consagrou a sua vida, quase toda, a Cristo e aos homens que dela se aproximaram com desejos de amor.

O romance revela peripécias eróticas e espirituais de uma mulher aristocrata, culta, e sensível, dedicando-se a uma diferente forma de se relacionar com a religião e a sociedade micaelense. Tendo nascido com um selo indelével, onde se inscrevem a liberdade e a igualdade, Madre Benedita da Cruz podia antever que se alguma revolta tivesse lugar, estaria ao lado do povo desta ilha, que carregava a riqueza nos ombros, para a descarregar sobre a opulência de poucos.

Poeta e romancista, Henrique Levy é portador de uma identidade com várias pertenças. Cidadão português, nascido em Lisboa, com nacionalidade cabo-verdiana. Viveu em diversos países da Europa, Ásia, África e América. Reside, por opção, na ilha de São Miguel. É autor de cinco romances: Cisne de África (2009); Praia Lisboa (2010); Maria Bettencourt – Diários de Uma Mulher Singular (2019); Segredo da Visita Régia aos Açores (2020) e

Memórias de Madre Aliviada da Cruz (2021). É autor de seis livros de poesia. Mãos Navegadas (1999); Intensidades (2001); O silêncio das Almas (2015); Noivos do Mar (2017); O Rapaz do Lilás (2018); Sensinatos (2019). Editou, em co-autoria com Ângela de Almeida, em 2020, o livro de poemas Estado de Emergência (2020). Editou e anotou A Sibylla – Versos Philosophicos (2020), de Marianna Belmira de Andrade, cuja primeira edição data de 1884. Assinou vários ensaios literários, publicados na imprensa e em revistas da especialidade. Tem vários poemas e contos dispersos por diferentes Antologias, sendo, também, coordenador da editora açoriana Nona Poesia.

LV/RÁDIOILHÉU