REGIONAL

AÇORES | Atualidade. Clélio Meneses solicita reflexão para problemas estruturais do Serviço Regional de Saúde

© Governo dos Açores | Fotos: SRSD
132views

O Secretário Regional da Saúde e Desporto identificou, hoje, seis problemas estruturais com que se debate o Serviço Regional de Saúde, para os quais solicitou a reflexão, na abertura do “Fórum Saúde 2030”, em Angra do Heroísmo. 

Nesta que foi a primeira sessão do evento, Clélio Meneses realçou a falta de financiamento da Saúde, como um problema “crónico e estrutural”, a par de outros como a falta de recursos humanos e a degradação de diversas instalações. 

No primeiro caso, o governante alertou para a consequência do subfinanciamento “que faz com que seja mais cara a saúde nos Açores”.  

De igual modo, o défice de recursos humanos, “entretanto reforçados no primeiro ano e meio de mandato do atual Governo, pela contratação de mais médicos e enfermeiros”, constitui para o titular da pasta da Saúde do Governo dos Açores “um problema agravado pelo facto de os prestadores de serviços não garantirem estabilidade” e “pela dependência de programas ocupacionais e de estágios”, frisou. 

O Secretário Regional expressou também preocupação pela degradação de instalações e de equipamentos, situação “que vai exigir um esforço grande de recuperação, mas que pode ser atenuado”, disse, “pela oportunidade do Plano de Recuperação e Resiliência que destina 30 milhões de euros à Saúde nos Açores”. 

Clélio Meneses adiantou que, do total, oito milhões de euros são destinados a equipamentos, mas que a verba vai também permitir a digitalização de todo o setor com aposta forte na “interoperabilidade de sistemas”. 

O governante elencou também como problemas estruturais a organização, o envelhecimento da população e a dificuldade no acesso aos cuidados de saúde. 

A este propósito, reiterou a estratégia de reformulação e inversão do sistema “de modo que os cuidados primários sejam, de facto, a primeira porta de entrada do serviço público de saúde” e não a Urgência. 

Acabar com o que chama de “dupla injustiça”, foi outra das ideias defendidas pelo Secretário Regional, porque “quem não tem meios para recorrer a privados fica em espera e os que os têm, pagam o privado, o seguro de saúde e os impostos”, frisou. 

“Pensar estrategicamente, reorganizar estruturalmente para podermos realizar com eficácia, é um desafio”, afirmou Clélio Meneses, solicitando que o Fórum seja “um íman ou um atrativo para que todos deem o seu contributo”. 

Na primeira sessão do “Fórum Saúde 2030”, participaram como oradores convidados, o Professor Eurico Castro Alves, atual presidente da Convenção Nacional da Saúde, o médico especialista em medicina geral e familiar, João Sarmento e o gestor e Diretor de Assuntos Institucionais dos Estados membros, Pedro Marques. 

GRA/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o editor da Rádio Ilhéu.