REGIONAL

REGIÃO | Açores “estão melhor agora” do que com governação anterior, considera António Vasco Viveiros

161views


O vice-presidente do grupo parlamentar do PSD/Açores, António Vasco Viveiros, considerou esta manhã que, “em matéria de coesão regional, podemos afirmar, após um ano de governação da atual coligação, que estamos melhores agora do que com a governação anterior”, disse.
 
O social democrata sublinhou que a coesão regional “é uma condição para a qual, quer o nosso grupo parlamentar, como naturalmente o governo, têm trabalhado, no sentido de proporcionar as melhores ofertas de mobilidade, devidamente sustentada, aos açorianos”, deu como exemplo.
 
O deputado realçou “as enormes vantagens trazidas pela criação da tarifa Açores, que tem permitido a ligação aérea entre as várias ilhas a um preço acessível. E cujo sucesso está comprovado pelo grande aumento da procura, que levou também ao aumento da oferta por parte da SATA regional”, referiu.
 
“Foi criada uma alternativa, durante todo o ano, mesmo para os passageiros que recorriam ao transporte marítimo, que permite viajar em condições muito mais vantajosas, através da via aérea”, reforçou.
 
“O governo regional está também a trabalhar na garantia da maior justiça possível para os passageiros açorianos, nomeadamente que não sejam prejudicadas as ilhas que não recebem voos das companhias lowcost, mas naturalmente precavendo aquela que é a sustentabilidade financeira que se pretende para a SATA Air Açores. Esse é um desafio que se nos coloca e ao qual será dada a melhor resposta”, disse.
 
Também no que se refere à mobilidade “e aos encaminhamentos, um assunto que o PS insiste em utilizar como arremesso político, temos de recuar às opções do anterior governo regional, que comunicava às instâncias europeias o encaminhamento de passageiros residentes quando, de uma forma genérica, aplicou a medida a todos os passageiros”, adiantou o social democrata.
 
E acrescentou que “é preciso relembrar que o encaminhamento se aplica apenas aos voos de e para o continente português, e não aos voos internacionais, ou seja, com origem noutras partes da Europa ou nos Estados Unidos”.
 
António Vasco Viveiros explicou igualmente que, no que toca ao transporte marítimo interilhas de passageiros, “a linha sazonal – amarela – da Atlânticoline sofreu alterações transitórias, durante dois anos, estando em estudo novas opções, que sejam compatíveis em termos económicos, com as necessidades de cada uma das ligações e respetivas ilhas”, concluiu.

PSD/AÇORES/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o editor da Rádio Ilhéu.