REGIONAL

PONTA DELGADA | Prisão preventiva de homem com 62 anos por violência doméstica

191views

A Divisão Policial de Ponta Delgada, através da Esquadra de Investigação Criminal, procedeu no passado dia 1 de julho, em Ponta Delgada, à detenção de um homem, com 62 anos de idade, por suspeita da prática do crime de violência doméstica.

No âmbito de uma investigação a cargo da Equipa Especializada de Violência Doméstica, foram realizadas diversas diligências que permitiram aos investigadores da PSP, a recolha de indícios da prática de várias condutas violentas perpetradas pelo suspeito, enquadráveis no crime de violência doméstica, designadamente maus tratos físicos e psíquicos que o mesmo tem vindo nos últimos três meses a infligir de forma continuada na sua mulher, com a qual está casado há 41 anos. Tendo o mesmo sido investigado em 2019 pelo mesmo tipo de crime, pelo qual foi condenado com a pena de prisão que lhe ficou suspensa com condição de se sujeitar ao tratamento de álcool, ao não cumprir com tal medida e ao reincidir na prática dos mesmos factos, emergiu, dada a urgência, comunicar as conclusões do inquérito, à Exma. Dra. Procuradora da República que dirige todas as investigações associadas à tipologia criminal de violência doméstica no DIAP de Ponta Delgada. Analisados os indícios recolhidos pela Polícia, porque se concluiu ter passado a constituir um factor de risco elevado manter o agressor em coabitação com a vítima, a Exma. Magistrada do Ministério Publico, determinou a detenção fora de flagrante delito do arguido, seguindo-se a sua apresentação imediata a 1º interrogatório judicial junto do Meritíssimo Juiz de Instrução Criminal de Ponta Delgada, o qual determinou a medida de coação mais gravosa, a prisão preventiva.

O Comando Regional da PSP dos Açores relembra que a violência doméstica é um crime de natureza pública e que pela sua gravidade e complexidade integra, o lote de crimes de prevenção e investigação prioritária, revelando-se, assim, obrigatória a denúncia às autoridades de todas as circunstâncias passíveis de enquadrar este flagelo criminal com expressão significativa em todo o território nacional.

CT/AÇORES/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o editor da Rádio Ilhéu.