REGIONAL

ATUALIDADE | Açores. Vasco Cordeiro defende apoios aos fatores de produção para ajudar os empresários e consumidores a ultrapassar dificuldades

197views

Vasco Cordeiro defendeu que, nesta conjuntura difícil que atravessamos, o Governo deve “garantir que os empresários Açorianos tenham condições para sobreviver” sem repercutir nos consumidores finais o aumento do custo das matérias-primas.

O líder parlamentar do PS falava na abertura das Jornadas Parlamentares, que arrancaram esta segunda-feira, na ilha Graciosa.

Vasco Cordeiro propôs a criação de um programa de apoio ao aumento dos custos de produção das empresas que “assegure um apoio aos fatores de produção, desde que esse aumento não se repercuta no preço final de venda ao público”, salientando ser essa uma solução que “permite apoiar as empresas, acautelando a situação das famílias”.

Vasco Cordeiro propôs a criação de um programa de apoio ao aumento dos custos de produção das empresas que “assegure um apoio aos fatores de produção, desde que esse aumento não se repercuta no preço final de venda ao público”, salientando ser essa uma solução que “permite apoiar as empresas, acautelando a situação das famílias”.

          Sobre os combustíveis, o líder dos socialistas Açorianos sublinhou que, devido a uma proposta apresentada e aprovada pelos deputados do PS na Assembleia da República, o Governo Regional “pode baixar o ISP tanto quanto seja necessário”, sendo essa a “forma mais transversal de aliviar toda a sociedade do sobrecusto dos combustíveis”, lamentando que o Governo “demore em fazê-lo”.

          Vasco Cordeiro defendeu que o Governo deve contratualizar um apoio que promova “uma redução significativa ao nível dos combustíveis” para os setores da Agricultura e das Pescas, que “têm sido particularmente penalizados”,

          “Estamos a falar de soluções que dependem apenas do Governo. É o caso dos combustíveis e é o caso dos apoios à exportação, que estão suspensos desde o final do ano passado”, sublinhou.

          O líder dos socialistas Açorianos entende que a dinamização da economia regional passa pelo “incentivo ao investimento” e, para isso, “basta apenas que o Governo mantenha aberto o sistema de incentivos Competir+, para permitir que os empresários ainda se possam candidatar”, uma solução “não depende em nada dos fundos comunitários, depende apenas da vontade do Governo em querer ajudar as empresas”.

          Recordando que, no âmbito do Competir+, há projetos de investimento que “já foram aprovados, mas que ainda não estão executados”, Vasco Cordeiro propôs que o Governo “atualize os custos elegíveis do investimento e os montantes totais do investimento elegível”, duas medidas que considerou “fundamentais” para que os empresários “não caiam na armadilha de executar um investimento que foi planeado com uma determinada taxa de comparticipação e que se nada for feito, à data da realização do investimento, a comparticipação vai ser substancialmente menor”.

          Tendo presente que estamos a enfrentar um aumento exponencial de custos após 2 anos de pandemia, Vasco Cordeiro defendeu a necessidade de recapitalizar as empresas Açorianas, perguntando “onde estão os 125 milhões de euros para as empresas Açorianas que, por decisão deste Governo, foram entregues ao Banco de Fomento Nacional, uma entidade externa à Região, dificultando e impedindo as empresas de acederem a estas verbas, por não preencherem os requisitos necessários, como acontece com as micro e pequenas empresas da Região”.

A esse respeito, o líder do PS/Açores defendeu a “criação de um fundo de capitalização de PMEs, gerido pelo Governo, que possa acudir a essa situação para garantir essa ajuda às empresas”.

“Estas são medidas simples, práticas, concretas, mas que devem ser tomadas e que fazem a diferença, para melhor, na vida da economia da nossa Região”, finalizou o líder dos socialistas Açorianos, Vasco Cordeiro.

GPPS/AÇORES/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o editor da Rádio Ilhéu.