REGIONAL

AÇORES | PS apresenta soluções para fazer face à falta de mão-de-obra na Região

213views

Vasco Cordeiro apresentou esta segunda-feira propostas “para fazer face ao problema da falta de mão-de-obra na Região”, uma situação que se “agrava de dia para dia”, na qual o Governo Regional é “omisso”.

O líder parlamentar do GPPS falava na ilha Graciosa, na abertura das Jornadas Parlamentares.

Nesta matéria, Vasco Cordeiro defendeu que o Governo deve intervir, em primeiro lugar, “apoiando a mobilidade de trabalhadores entre setores de atividade”, de forma a permitir uma “reafectação de recursos entre setores da economia”, para que as empresas tenham à sua disposição “recursos, informação e mecanismos para reforço da sua produtividade.

Em termos concretos, Vasco Cordeiro adiantou que o PS, se fosse Governo, criaria um “programa de apoio à mobilidade profissional e geográfica, direcionado às empresas, com o objetivo da reconversão profissional dos trabalhadores e a respetiva mobilidade interna”, uma medida complementada com “um programa de formação intensiva para a reconversão profissional”.

Vasco Cordeiro defendeu que o Executivo deve, também, ponderar “medidas de incentivo extraordinárias a um salário justo, de aproximação progressiva a um montante que possa ser atrativo”.

Outro aspeto que o líder do PS defende ser fundamental é a “ampliação de medidas de fixação de trabalhadores, com melhoria do acesso à habitação, aos apoios sociais e de acessibilidades”, com “medidas temporárias de apoio às empresas e coordenação de serviços públicos”.

Vasco Cordeiro entende que estas medidas, a serem aplicadas, “podem ter uma fortíssima incidência nas questões demográficas com que se confronta a Região”.

Lembrando que na passada sexta-feira foi assinado o acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia, o líder parlamentar do PS questionou “onde é que anda o Programa Operacional Açores 2030?”, realçando a “falta de informação e de estratégia do Governo”.

“Tivemos, por iniciativa do PS, um debate no Parlamento Regional sobre a proposta do Governo para o PO Açores 2030, depois disso nada se sabe nem nada se informa” realçou Vasco Cordeiro, que salientou o “impacto que esses fundos comunitários podem ter na vida, na competitividade e no desenvolvimento da nossa Região”.

Vasco Cordeiro chamou a atenção para os atrasos na aplicação de fundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), alertando que a “manter-se a tendência de agravamento dos atrasos que se têm verificado, há metas que estão em perigo e recursos que a Região pode perder”.

A esse respeito, o Presidente do GPPS exortou o Governo a “fazer as alterações que forem necessárias do ponto de vista do funcionamento da administração regional para aproveitar estes recursos”, defendendo ser uma “prioridade absoluta garantir que nem um cêntimo do PRR é desaproveitado”.

Vasco Cordeiro salientou que há “desafios estratégicos que estão a ficar para trás”, frisando que “nunca mais se ouviu falar de transição energética, de transição digital e de projetos como o Terceira Tech Island”.

“A Graciosa tem um exemplo muito concreto disto, na mobilidade e nas, devido à desarticulação que este Governo fez do transporte marítimo e que penaliza, em concreto, ilhas como a Graciosa. Se compararmos os números de turismo de Maio de 2019 com os deste ano, a Graciosa é uma das três ilhas cujos números estão muito abaixo, são menos 45%. Isso é dramático para uma economia pequena e tem consequências práticas na vida das empresas e das famílias. Em vez de andar para a frente, este GRA está a deixar os Açores para trás. Vai a reboque das circunstâncias, está mais preocupado com as necessidades dos seus parceiros, do que em dar resposta aos Açorianos”, finalizou Vasco Cordeiro.

GPPS/AÇORES/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o editor da Rádio Ilhéu.