REGIONAL

“Não enterramos a cabeça na areia à espera que a tempestade passasse”

75views

O presidente da Câmara da Ribeira Grande, Alexandre Gaudêncio, acompanhou, hoje, a reabertura de alguns serviços da autarquia, nomeadamente o Gabinete de Apoio ao Munícipe, museus, biblioteca Daniel de Sá e arquivo municipal.

O autarca contatou de perto com os funcionários que, após cerca de dez semanas em casa, retomaram as atividades presenciais, embora ainda sob regras que visam prevenir a propagação do novo coronavírus.

“Retomamos algumas das nossas atividades após as recomendações das entidades competentes. Estamos a voltar de forma gradual e progressiva, sempre com cautela e responsabilidade, orientando a nossa ação para aqueles que trabalhamos, ou seja, os nossos munícipes”, destacou.

Para que a retoma fosse feita em segurança, Alexandre Gaudêncio recordou que “o executivo camarário tomou medidas, algumas delas pioneiras, para que todos se sintam seguros no regresso ao trabalho e cumprindo as medidas de proteção recomendadas pelas autoridades de saúde.”

Alexandre Gaudêncio reconheceu que a “crise pandémica permitiu-nos retirar ilações para o futuro, nomeadamente que devemos adaptar-nos a este novo tempo, tirando mais partido das novas tecnologias para darmos respostas mais céleres aos munícipes.”

“As últimas semanas foram um desafio para todos porque nenhum de nós tinha experimentado passar por uma pandemia. Apesar de termos encerrado fisicamente os serviços, não fomos de férias nem enterramos a cabeça na areia à espera que a tempestade passasse”, realçou o edil.

E porque em equipa que ganha não se mexe, Alexandre Gaudêncio assumiu que o teletrabalho veio para ficar. “Iremos manter em teletrabalho alguns serviços porque souberam adaptar-se a esta nova forma de trabalho e conseguiram dar uma resposta muito positiva a todas as solicitações que continuaram a ter. É também uma forma de reconhecer nos funcionários que têm filhos menores que podem optar por esta modalidade para continuarem a acompanhar os filhos nos afazeres da escola, visto que até final do ano letivo não haverá aulas presenciais, exceto para o 11.º e 12.º anos.”

O autarca também valorizou o empenho daqueles que, em casa, mantiveram os serviços em funcionamento. “Apesar de continuarmos em funcionamento, mas à distância, reconheço que alguns surpreenderam-me pela positiva porque encararam esta nova etapa como uma nova oportunidade de mostrarem todo o vosso talento e desempenho”.

E deixou também uma crítica a quem não se revelou à altura das necessidades. “Não posso deixar de lamentar que outros, apesar de lhes terem sido dadas todas as facilidades para continuarem as suas funções à distância, não tenham correspondido ao esperado, transmitindo aos cidadãos uma imagem de desinteresse perante as suas preocupações, atitudes e comportamentos nos quais este executivo não se revê e lamenta que se tenham verificado”.

FONTE:CMRG/AA

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o editor da Rádio Ilhéu.