COVID-19: INEM mantém tendência crescente

COVID-19: INEM mantém tendência crescente

Na segunda semana de novembro, a atividade do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) relacionada com a situação pandémica manteve a tendência crescente que se tem vindo a verificar nas últimas semanas.

Entre os dias 9 e 15 de novembro, o INEM e os seus parceiros no Sistema Integrado de Emergência Médica realizaram um total de 3.381 transportes de utentes com suspeita de infeção por SARS-CoV-2, ou seja, mais 349 transportes que na semana transata. Em termos geográficos, a Delegação Regional do Norte (DRN) foi a região onde se realizou o maior número de transportes deste tipo, mais concretamente, 1.506 utentes com sintomatologia compatível com COVID-19. Os meios afetos à Delegação Regional do Sul (DRS) realizaram 1.101 transportes, sendo que a Delegação Regional do Centro (DRC) registou 658 e a DRS – Algarve, 116.

No que diz respeito a colheitas de amostras biológicas, também aqui se verificou um aumento da atividade face à primeira semana de novembro. As equipas do INEM realizaram um total de 1.515 serviços, sendo que a equipa da DRS recolheu 1.253 amostras, a da DRN 117, a da DRC 49 e a DRS-Algarve uma.

Quanto ao impacto da COVID-19 no seio do INEM, a 15 de novembro o Instituto tinha registo de 10 trabalhadores diagnosticados com COVID-19, 24 em isolamento profilático e 17 em vigilância após contacto com casos positivos.

Desde março que o Centro de Apoio Psicológico e Intervenção em Crise (CAPIC) do INEM tem em funcionamento uma equipa que acompanha os profissionais do INEM afetados pela COVID-19, contando até 15 de novembro com 309 intervenções.

Nunca é de mais relembrar a importância de se seguir as recomendações da Direção-Geral da Saúde (DGS) para que seja possível travar o avanço da COVID-19. A utilização da máscara, a constante lavagem e desinfeção das mãos, a adoção da etiqueta respiratória e a redução dos contactos presenciais, privilegiando o distanciamento físico, são gestos fundamentais para o combate à pandemia. Instale a aplicação móvel Stayaway COVID para monitorizar os possíveis contactos com pessoas infetadas.

INEM/RÁDIOILHÉU