NACIONAIS

Conferência dos Oceanos | Risco de tsunami incluído na Estratégia Nacional para uma Proteção Civil Preventiva 2030

Secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, no evento «Alerta costeiro – Enfrentar os riscos de tsunami» da Conferência dos Oceanos, Lisboa, 27 junho 2022
223views

Portugal tem vindo a fortalecer os mecanismos de alerta e os planos de emergência para um cenário de tsunami (maremoto) e trabalhado em articulação nos vários patamares – do nacional ao local – para fazer face à eventualidade de ocorrência deste fenómeno. 

«Ao contrário de muitos outros eventos, um tsunami pode ser antecipado. Podemos ter apenas alguns minutos para agir, mas se todos soubermos o que fazer, muitas vidas podem ser salvas», disse a Secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, durante a Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, no evento subordinado ao tema «Alerta Costeiro – Enfrentar os riscos de tsunami: Parcerias e soluções para um oceano seguro e resiliente a tsunamis».

Patrícia Gaspar afirmou que este é um dos fenómenos incluído na Estratégia Nacional para uma Proteção Civil Preventiva 2030, que contemplará um Plano Nacional de Emergência para Risco Sísmico e Tsunami.

«Temos de trabalhar em quatro pilares essenciais: ciência e conhecimento, antecipação, planeamento e informação. E temos de continuar a unir esforços porque, juntos, ao nível local, regional, nacional e internacional, conseguiremos melhores resultados», disse a Secretária de Estado. 

De acordo com a Avaliação Nacional de Risco, Portugal Continental apresenta um alto risco de tsunamis, sendo considerado um fenómeno HILP (High Impact – Low Probability),  Alto Impacto – Baixa Probabilidade.

Neste sentido, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil tem vindo a mapear o risco sísmico e de tsunami e a trabalhar com os municípios, que também desenvolvem estudos e definem as ações locais.

Foram já desenvolvidos procedimentos de notificação para difundir mensagens de alerta de tsunami às autoridades de proteção civil, de forma a garantir informação atempada à população em áreas potencialmente afetadas. Por outro lado, vários municípios têm vindo a instalar sinais de alerta de tsunami e sirenes em zonas de risco, que serão acionados em caso de alerta de tsunami, complementando o sistema nacional de alerta SMS em vigor.

Para a região do Algarve – uma das principais áreas de risco no nosso País – foi elaborado um Plano Especial de Emergência para Risco Sísmico e Tsunami, que reúne mais de uma centena de entidades. Esses planos de emergência são testados regularmente em exercícios regionais e nacionais.

P/GOV/PT/RÁDIOILHÉU

Mauricio De Jesus
Maurício de Jesus é o editor da Rádio Ilhéu.