Atividade económica com ritmo mais lento de recuperação

Atividade económica com ritmo mais lento de recuperação

Na Área Euro (AE), o Produto Interno Bruto (PIB) em termos reais registou uma variação homóloga de -4,4% no 3º trimestre de 2020 (-14,8% no trimestre anterior) e uma variação em cadeia de +12,6% (-11,8% no 2º trimestre). Em outubro, verificou-se uma recuperação mais lenta do indicador de sentimento económico da AE e uma diminuição do indicador de confiança dos consumidores. Os preços das matérias-primas e do petróleo apresentaram variações em cadeia de -1,5% e -1,6%, respetivamente (3,7% e -8,3% em setembro).

Em Portugal, de acordo com a segunda estimativa rápida, o PIB em termos reais registou uma redução homóloga de 5,7% no 3º trimestre, após a forte contração de 16,4% no trimestre anterior. Comparativamente com o 2º trimestre de 2020, o PIB aumentou 13,3% em termos reais, depois de ter diminuído 13,9% no trimestre anterior.
Em Portugal, não considerando médias móveis de três meses (ver secção seguinte), a informação disponível revela um ritmo de recuperação da atividade económica mais lento em setembro e outubro. O indicador de confiança dos Consumidores aumentou em outubro e o indicador de clima económico prolongou o perfil de recuperação observado desde maio, mas situando-se ainda abaixo dos níveis pré-pandemia. Os indicadores de confiança aumentaram em todos os setores, Indústria Transformadora, Construção e Obras Públicas, Comércio e Serviços.

O montante global de levantamentos nacionais, de pagamentos de serviços e de compras em terminais de pagamento automático na rede multibanco diminuiu 6,3% em outubro, em termos homólogos, após o decréscimo de 4,5% observado em setembro. As vendas de veículos automóveis registaram taxas de variação homóloga de -12,6% nos automóveis ligeiros de passageiros, -15,1% nos comerciais ligeiros e -15,0% nos veículos pesados (-9,4%, -7,2% e -8,6% em setembro, respetivamente).

No 3º trimestre de 2020, a taxa de desemprego situou-se em 7,8%, 2,2 pontos percentuais (p.p.) acima do valor registado no trimestre anterior (6,1% no período homólogo de 2019). A subutilização do trabalho abrangeu 813,7 mil pessoas (aumento de 8,7% em relação ao trimestre anterior e de 21,9% em termos homólogos), determinando um aumento da taxa de subutilização do trabalho de 14,0% para 14,9% do 2º para o 3º trimestre (12,2% no 3º trimestre de 2019). O emprego total apresentou uma diminuição homóloga de 3,0% (-3,8% no 2º trimestre), tendo a população ativa registado uma redução de 1,3% (variação homóloga de -4,5% no trimestre anterior). O volume de horas efetivamente trabalhadas diminuiu 7,2% em termos homólogos e aumentou 17,4% relativamente ao 2º trimestre, em resultado do volume de horas efetivamente trabalhadas ter sido particularmente baixo no 2º trimestre de 2020.

A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi -0,1% em outubro, taxa idêntica à registada no mês anterior, tendo a componente de bens registado uma taxa de variação de -0,3% nos últimos dois meses (-0,1% em agosto), enquanto a componente de serviços registou em outubro um crescimento de 0,2% (taxa nula em setembro). O índice de preços na produção da indústria transformadora apresentou em outubro uma taxa de variação homóloga de -4,6% (-4,8% no mês anterior). Excluindo a componente energética, este índice também tem vindo a apresentar variações homólogas negativas desde setembro de 2019, fixando-se em -1,1% em outubro (-1,3% no mês anterior).

INE/RÁDIOILHÉU